Aviso à População: Precipitação e Vento

março 03, 2021

1.1 SITUAÇÃO METEOROLÓGICA:

De acordo com a informação disponibilizada pelo IPMA, para as próximas 48 horas, destaca-se a previsão de precipitação por vezes forte e persistente na região Sul a partir de amanhã à tarde, a prolongar-se até ao final da manhã de sexta-feira, realçando-se os seguintes aspetos: 

  • Amanhã (04 de março de 2021)
    • Ocorrência de precipitação, que pode ser por vezes forte e persistente, principalmente a partir do meio da tarde, nas regiões Centro e Sul (em particular nos distritos de Leiria, Lisboa, Setúbal, Évora e Beja), com valores acumulados que poderão atingir 25 mm entre as 12h:00 e as 24h:00 (podendo em 3 horas ser atingidos 20 mm); Possibilidade de rovoada em especial na região Sul;
    • Vento predominante do quadrante leste, que poderá soprar por vezes forte no litoral da região Sul e nas terras altas das regiões Centro e Sul (até 40 a 45 km/h);
    • Agitação marítima forte na costa sul do Algarve, com ondas sueste com altura de 2 metros;

 

  • Sexta-feira (05 de março de 2021)
    • Ocorrência de precipitação, por vezes forte, mais provável na região Sul, sendo mais intensa no período da manhã, com valores que poderão atingir 25 mm entre as 00h:00 e as 12h:00, em particular no sotavento algarvio e no interior do Alentejo, sendo que nas 12 horas subsequentes os valores não deverão exceder 10 mm;
    • Possibilidade de trovoada em especial na região Sul;
    • Vento até 30 km/h de leste, sendo até 45 km/h nas terras altas, em especial das regiões Centro e Sul

 

2 - EFEITOS EXPECTÁVEIS:

Em função das condições meteorológicas presentes e previstas é expectável:

  • Piso rodoviário escorregadio por eventual formação de lençóis de água;
  • Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
  • Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
  • Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
  • Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores, bem como de afetação de infraestruturas associadas às redes de comunicações e energia;
  • Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
  • Desconforto térmico na população pela conjugação da temperatura mínima baixa e do vento, nomeadamente nas terras altas.

 

3 – MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO:

A ANEPC recomenda à população a tomada das necessárias medidas de prevenção, nomeadamente:

  • Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade;
  • Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos ou árvores, em locais de vento mais forte;
  • Ter especial cuidado com a fixação das estruturas temporárias (tendas) que se encontrem montadas para apoio à situação pandémica;
  • Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a estes fenómenos;
  • Proceder à remoção de máquinas e alfaias agrícolas, bem como de animais das zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a fenómenos de alagamentos e inundações;
  • Prestar atenção aos grupos mais vulneráveis (crianças nos primeiros anos de vida, doentes crónicos, pessoas idosas ou em condição de maior isolamento, trabalhadores que exerçam atividade no exterior e pessoas sem abrigo);
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

 

 

Newsletter